Aprovado pelos comitês PCJ o reenquadramento do Rio Jundiaí no trecho entre Indaiatuba e Salto | Guia de Indaia
GUIA COMERCIAL

Rio Jundiaí

A Bacia do Rio Jundiaí é a primeira do país a ser despoluída, depois de 33 anos de estudos, projetos e investimentos. O rio, que já foi mais sujo que o Tietê, em 16 de dezembro de 2016 foi reconhecido pelos Comitês de Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) como próprio para o abastecimento nos 128 quilômetros desde a nascente, em Mairiporã, até a foz, no Tietê, em Salto. Os comitês aprovaram o reenquadramento, da categoria 4 para a 3, dos últimos 56 quilômetros, entre Indaiatuba e Salto, e parte da distância entre Várzea e Itupeva. A decisão dos comitês ainda passará pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos. O trecho entre a foz do Ribeirão São José, em Itupeva, e a foz do Córrego do Barnabé, em Indaiatuba, já foi reconhecido como classe 3, o que permitiu que Indaiatuba passasse a captar água no manancial para aumentar a segurança hídrica da cidade. A construção de estações de tratamento de esgotos e a manutenção da rede na bacia foram fundamentais para melhorar a qualidade da água. Além disso, o rio tem desníveis que favorecem a autodepuração porque melhoram a oxigenação da água. INVESTIMENTOS O Rio Jundiaí nasce na Serra da Pedra Vermelha, em Mairiporã, e percorre oito municípios até desaguar no Rio Tietê, em Salto. Nesse trajeto ele passa por Mairiporã, Atibaia, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Jundiaí, Itupeva, Indaiatuba e Salto. O rio Jundiaí recebeu efluentes domésticos e industriais por muito tempo no passado. Hoje, no entanto, é considerado um dos poucos casos de recuperação de bacia hidrográfica no Brasil, o que comprova resultado mesmo após processo lento de despoluição. A construção de tratamentos de esgoto foi essencial para reduzir a poluição do manancial. Peixes como os jundiás estão de volta ao rio, atestando a existência de oxigênio na água onde antes só havia esgoto. O Saae de Indaiatuba tem investido na despoluição do rio com a construção da Estação e Tratamento de Esgoto Mario Araldo Candello, que será ampliada e readequada para tratar 100% do esgoto coletado e também na implantação de novos interceptores para coleta e transporte do efluente. Somente em 2016 foram R$ 32 milhões investidos e nos próximos 3 anos, apenas com a obra na ETE serão mais de R$ 60 milhões. A Sabesp investiu em estações para tratar o esgoto de Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista e Itupeva e o Departamento de Água e Esgoto (DAE) de Jundiaí também investiu para reverter a condição uma vez que há 30 anos, a cidade era responsável por mais de 70% da poluição do manancial. REENQUADRAMENTO O reenquadramento vai permitir o controle ambiental mais nobre que não é possível com a classe 4, por falta de parâmetros. Com classe 3, parâmetros como oxigênio diluído (OD), demanda biológica de oxigênio (DBO) e nitrogênio passam a ser monitorados. Outros parâmetros, como fósforo e colimetria passarão a ser monitorados entre 2020 e 2035, quando a bacia entrará em outra fase, para a reclassificação em classe 2. Atualmente o Rio Jundiaí tem trechos em diferentes categorias — são 47 quilômetros na classe 2, outros 25 quilômetros na classe 3 e 56 quilômetros na classe 4. QUAIS SÃO AS CLASSES DE ENQUADRAMENTO CLASSE 1 Águas destinadas ao abastecimento doméstico após tratamento simplificado; à proteção das comunidades aquáticas; à recreação de contato primário (natação, esqui aquático e mergulho); à irrigação de hortaliças que são consumidas cruas e de frutas que se desenvolvam rentes ao solo e que sejam consumidas cruas; à criação natural e/ou intensiva (aquicultura) de espécies destinadas à alimentação humana. CLASSE 2 Águas destinadas ao abastecimento doméstico, após tratamento convencional; à proteção das comunidades aquáticas; à recreação de contato primário (natação, esqui aquático e mergulho); à irrigação de hortaliças e plantas frutíferas; à criação natural e/ou intensiva (aquicultura) de espécies destinadas à alimentação humana. CLASSE 3 Águas destinadas ao abastecimento doméstico, após tratamento convencional; à irrigação de culturas arbóreas, cerealíferas e forrageiras; à dessedentação de animais CLASSE 4 Águas destinadas à navegação; à harmonia paisagística; aos usos menos exigentes.

Notícias Recentes

Legião da Boa Vontade

Legião da Boa Vontade

LBV entrega cestas de alimentos a milhares de famílias que sofrem com a seca no país

Saúde

Saúde

Doação de Sangue acontece neste sábado na Fiec

Centro Cultural

Centro Cultural

Secretaria de Obras faz reforma do Centro Cultural do Jardim Morada do Sol

Ponto Azul

Ponto Azul

Prefeitura divulga novo horário de funcionamento do shopping popular Ponto Azul

Residência Inclusiva

Residência Inclusiva

Prefeito emite ordem de serviço para início de construção da Residência Inclusiva

Saúde

Saúde

Campanha nacional de vacinação contra o sarampo e poliomielite será em agosto